quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Comentários

Eu sei que comecei há pouco tempo e que tenho, ainda, poucos visitantes. Mas gostava de ter comentários às minhas publicações. Você, que vem aqui parar por acaso, por favor veja e comente, vá lá... E claro, se possível, volte a passar por cá.  Prometo que não se arrependerá. 


 
Navio Escola Sagres - 22 de Agosto de 2009
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

domingo, 25 de novembro de 2012

Doce de queijo fresco

Hoje, para completar um almoço de peixe grelhado, eu( sério, eu), fui para a cozinha fazer uma receita deliciosa de um doce de colher que a minha irmã MC fez no aniversário da nossa irmã A. É muito simples e verdadeiramente bom. Aqui vai a receita:


Ingredientes

2 queijos frescos, de vaca, de 200g
200g de açúcar
5 folhas de gelatina
2 pacotes de natas para bater
Umas gotas de limão

Preparação

Pôr as folhas de gelatina de molho em água fria.
Desfazer o queijo na liquidificadora, ou amassar muito bem com um garfo.
Passar para uma taça misturadora, onde se junta o açúcar e as gotas de limão.Bater bem. Juntar a esta mistura as natas batidas em chantilly (eu não consegui, não subiram, e misturei-as bem batidas, mas um pouco liquidas. Ficou bom na mesma) e bater bem, novamente, para incorporar tudo.
De seguida, pôr num tachinho anti aderente as folhas de gelatina espremidas, e mexer com colher de pau até derreterem (demora uns segundos).
Deitar em fio a gelatina sobre a mistura na taça mexendo sempre.

Se pretender desenformar o doce para um prato, deve usar uma forma previamente molhada com água fria, para onde verterá o preparado. Vai ao frigorífico por umas horas.
Para desenformar, mergulhar a forma uns segundos em água bem quente, pôr um prato em cima e voltar a forma.
Decorar com romãs ou outra(s) fruta a gosto.

Eu deitei o doce numa tarteira de vidro e não desenformei. Ficou assim

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

domingo, 18 de novembro de 2012

Fora de tempo

Enquanto pensamos num doce para hoje, uma foto da nossa coroa imperial, que este ano não floriu no Verão, como era suposto; chegamos a pensar que tinha morrido e, de repente, aparece em todo o seu esplendor em Novembro... Nunca é tarde para florir, verdade?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sábado, 17 de novembro de 2012

Carne à jardineira

Um sábado de chuva feio e desolador, depois de uma noite de sexta-feira triste, triste... O gatinho do meu filho, o nosso querido Luffy, partiu...
O meu dia foi passado,  como habitualmente, fora de casa, com a minha irmã. No regresso a casa, por volta das 19h, desconsolada, liguei a perguntar o que seria o jantar. Nada de especial, disseram-me. Quando cheguei, esperava-me uma reconfortante, deliciosa, jardineira!! Foi a estreia do meu Chef nesta receita, mas  tudo em que toca se transforma numa delicia, e a jardineira não fugiu à regra. Maravilhosa! E por essa razão, aqui vos deixo a receita.

Ingredientes

500g de carne de vaca para guisar
400g de ervilhas
2 cenouras
400g de batatas
1 cebola
2 dentes de alho
1 folha de louro
150g de tomate fresco bem maduro picado (ou 150g de polpa de tomate)
150 ml de vinho branco
Azeite
1 ramo de salsa
1 rolha de cortiça (opcional)
Sal qb
Pimenta branca qb
Piri-piri (opcional, mas vivamente aconselhável)




Preparação


Temperar a carne com sal e pimenta e reservar

Num tacho, refogar a cebola picada e os alhos amassados com o azeite




Juntar o tomate e o vinho branco e deixar refogar mais um pouco. Depois juntar a carne, o louro, o piri-piri e cobrir com água.

Nota: Diz-se que uma rolha de cortiça ajuda a  amaciar a carne. Se acreditarem, devem juntá-la nesta altura




Deixar cozer durante meia hora. De seguida juntar a batata cortada em cubos, a cenoura às rodelas e as ervilhas. Deixar cozer, acrescentando água sempre que necessário e rectificar temperos. Depois de apagar o lume, juntar salsa picada.



Servimos acompanhada de um tinto alentejano Monte do Amante - Grande escolha 2009



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

domingo, 11 de novembro de 2012

Esparguete à Bolonhesa

Depois de uma semana agitada, em que nada de especial foi cozinhado,  ontem o P.,  fez um fabuloso arroz de coelho do qual, oportunamente, vos darei a receita.
Domingo é, por norma dia de peixe fresco grelhado, mas hoje não pudemos ir procurá-lo, pelo que decidimos que o almoço seria esparguete à bolonhesa. E devo dizer-vos que o esparguete dele é o melhor que algum dia comi...
Começamos por ir à nossa "horta" colher mangericão. O resto veio do supermercado.


Ingredientes (para 4 pessoas):

500 gr de carne de vaca picada (2 vezes)



350 gr de esparguete
1 kg de tomate (600 gr de tomate fresco e 400 de tomate de lata picado)



1 cebola grande
2 dentes de alho
1 folha de louro
1 ramo de salsa e/ou mangericão
2 colheres de sopa de aguardente velha



Pimenta branca moída na hora
Noz moscada
1 caldo de galinha
2 colheres de sopa de margarina ou azeite
Piri piri a gosto (facultativo)


Preparação


Cozer o esparguete em água abundante com sal

Pôr numa frigideira alta a margarina e o azeite. 
Juntar a cebola e os dentes de alho finamente picados, a salsa também picada e a folha de louro. Deixar até que a cebola fique transparente.
Juntar a carne  e deixar cozinhar até perder a cor vermelha. Juntar a aguardente e deixar evaporar.Juntar o tomate e cozinhar até que fique desfeito. Nessa altura temperar de sal, pimenta, noz moscada, caldo de galinha e piri-piri e deixar apurar.



Quando estiver apurado, rectificar os temperos , se necessário. Na frigideira onde cozinhou a carne, deite o esparguete e misture



Acompanhe com um bom vinho e bom proveito!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

domingo, 4 de novembro de 2012

Empanada Gallega

Esta é uma receita que encontrei no blog Kanela y Limón, e que me traz à memória a dita empanada que costumava comer no café Aurora em Chaves.
Não sei se aquela que recordo tinha maçã (eu nunca o notei), mas como o dono do café era galego, estou convencida que seria a receita original. Mesmo a quem nunca provou, aconselho vivamente que tente esta receita, porque é muito boa. Eu, também vou pedir ao P. para fazer.

Vamos lá!

Ingredientes para a massa:

300 ml de água morna
1/2 cubo de fermento de padeiro (12g)
2 ovos
120g de manteiga derretida
2 colheres de café de sal
750g de farinha


Preparação na máquina de pão

Desfazer o fermento na água e pôr todos os ingredientes pela ordem indicada na máquina.
Escolher o programa que amassa e leveda , na minha o nr 6, que tem uma duração de 1h50m

Preparação manual

Pôr a farinha misturada com o sal na mesa de trabalho e abrir um buraco no meio onde se colocam todos os outros ingredientes menos a água que será acrescentada a pouco e pouco, á medida que se amassa até obter uma massa lisa.Tapar com um pano e deixar repousar uma hora.

Ingredientes para o recheio:

Azeite
3 cebolas
1 pimento vermelho
4 dentes de alho
1 tomate maduro
Vinho branco
Sal
Pimenta
Pimentão doce
400 gr de carne picada (mistura de porco e vaca)
1 maça


1 ovo para pincelar a massa

Preparação:

Pôr uma frigideira ao lume com o azeite. Picar as cebolas, 2 dentes de alho e o pimento e pô-los  na frigideira a refogar.De seguida, pôr o tomate bem picadinho e pelado, mexer até o tomate desfazer e incorporar uma colherinha de pimentão doce, mexer bem e acrescentar 1/2 copo de vinho branco.
Temperar de sal e deixar cozer uns minutos. Retirar do lume e reservar.

De seguida, preparar a carne e para tal temperá-la com os 2 dentes de alho restantes muito bem picados, sal e pimenta a gosto. Mexer para que tudo fique bem misturado


Agora só falta montar a empada. Preparar a bandeja onde se vai servir, que pode ser redonda ou rectangular e  pode ser forrada com papel vegetal ou untada com azeite. De seguida amassar com o rolo de cozinha metade da massa que deve ficar muito fina. Enrolar a massa sobre si própria com a ajuda do rolo. Passar a massa sobre o tabuleiro e desenrolar
Colocar primeiro o refogado, tentando não pôr demasiado azeite



Por cima, a carne picada que deve ser espalhada com um garfo para que não fiquem pedaços muito grandes


Descascar a maçã e cortar em pedaços que se colocarão em cima da carne.
 Estender a outra metade da massa e repetir a operação para pôr a cobertura na empada



Com uma faca recortar a massa em excesso deixando apenas uma pequena aba e com a mão fechar  a cobertura, selando a pequena aba para dentro 

Com o indicador fazer um buraco no centro para que a empada respire
Com um garfo pressionar o rebordo para ficar bem fechado e pincelar com ovo 


Cozer em forno pré-aquecido a 200ºC , com calor em cima e em baixo e ventilação durante aproximadamente 40 minutos, ou até que toda a superfície tenha uma bonita cor dourada







Texto traduzido e fotos retiradas do blog  Kanela y Limón

http://kanelaylimon.blogspot.com.es



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Domingo e Pastéis de Chaves...

Hoje, pelo menos para já, não trago nenhuma receita... Fui acordada, como sempre, pela Tita, a minha gata. Dizem-me que a Tita não podia ter outra dona e que a dona não poderia ter outra gata.. Ela, como eu, adora bons petiscos e tem de provar tudo que por cá se cozinha...

Hoje lembrei-me como seria bom estar em Chaves, e ir até ao castelo, ao quiosque da  Sra. Maria, comer um belo pastel de Chaves, morninho, acompanhado por meia de leite de máquina... A Tita ainda não provou pastéis, mas tenho a certeza que, quando provar, vai adorar...
A quem nunca provou, recomendo que não deixe de o fazer quando passar por Chaves

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sábado, 3 de novembro de 2012

Pulpo a Gallega

E vou começar (tenho de começar por uma qualquer receita, não é?) por partilhar convosco uma receita de uma bloguista galega, a cujo blog - "La cocina de Frabisa", fui "levada" por outra cozinheira, também ela galega, do blog "Kanela y Limón". E como eu também sou quase galega, fiquei encantada e, seguramente, aí voltarei mais vezes..
Mas a receita em causa, a que ela chama "Pulpo de feira" é o famoso "Pulpo a gallega" que na minha juventude ia, propositadamente, comer a Verin...
Então aqui vai a receita, traduzida o mais fielmente possível... Espero que gostem.
Ingredientes (para 2-3 pesoas)
- 1 polvo de quilo e meio aprox. - Batatas inteiras (duas por pessoa) Devem ser todas do mesmo tamanho (médio, se possível) para que cozam ao mesmo tempo. - Pimentón de la Vera (o agridoce, que pode ser encontrado no El Corte Inglès) - Azeite virgem extra. - Sal marinho - Pratos de madeira para servir.
Execução

Observações prévias. - Não se pode cozer o polvo fresco, porque ficaria durissimo. Antigamente os marinheiros, para o "amansar", batiam com ele com força contra as rochas, mas hoje em dia consegue-se o mesmo resultando congelando-o. O único truque fundamental para um bom polvo, é conseguir o ponto certo de cozedura, quer dizer, que não fique a desfazer-se nem duro como uma pedra. Parece difícil, mas é apenas questão de prática e de uns pequenos truques que vos explicarei.

Comecemos- Tirar o polvo do congelador na noite anterior e deixá-lo num alguidar dentro do frigorífico para descongelar lentamente.
Aquecer água numa panela alta. Quando estiver quente mas sem ferver, meter e tirar o polvo (agarrado pela cabeça) três vezes dentro da água até que, finalmente, se deixa dentro da panela para cozer. O objectivo desta operação, é que o polvo se ambiente gradualmente à temperatura e assim não soltará a pele. Coze vinte minutos contados a partir do momento em que começa a ferver. Entretanto vamos descascando as batatas. Passados os vinte minutos, picamos com um garfo a parte mais grossa dos tentáculos junto à cabeça. Se ainda estiver dura, deixamos cozer mais uns minutos.Quando estiver cozido, retiramos o polvo que poremos em cima de uma taça, para que fique "sentado" sobre ela e, assim, os tentáculos ficarão separados. Reservamos.
Na água em que cozemos o polvo, cozinhamos agora as batatas durante vinte minutos,ou até que estejam cozidas, mas inteiras. Quando as batatas estiverem cozidas , e depois de as retirar da panela, metemos novamente o polvo na água quente por dois ou três minutos para aquecer. De seguida, molhamos o prato de madeira com água da cozedura, para aquecer e empapar a madeira. Cortamos o polvo com uma tesoura de cozinha em pedaços grossos. Colocamos as batatas no centro. Regamos generosamente com azeite e polvilhamos com pimentão de Vera e sal grosso.
Servimos acompanhado de um bom pão (tipo cacete) e de um belo vinho Alvarinho e deliciamo-nos!



Fonte:
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Livro de receitas

Poucas coisas me fazem mais feliz do que uma comida bem feita, saboreada em boa companhia!
Desde que me lembro, que sou atenta seguidora de programas de culinária, leitora de livros de receitas , mais recentemente, de blogs culinários, compulsiva compradora de utensílios culinários...
Mas desenganem-se se pensam que é para cozinhar... Não é. Não que eu não soubesse (sim o tempo verbal está correcto) cozinhar... Em tempos soube e até diziam que tinha "mão", mas já não cozinho há muito tempo... tenho a sorte de ter comigo o melhor Chef do mundo, o P.! Para ele, vou construir este livro de receitas, que poderá, também, ser consultado por quem estiver interessado. Será o repositório das melhores receitas dos melhores bloguistas, a quem darei os merecidos créditos, e das criações do Chef.
Boas comidas!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...